UFPA participa do primeiro Fórum Internacional da Inovação Universitária, em São Paulo

Postado em 02 de maio de 2019

A Universidade Federal do Pará participou, nos dias 29 e 30 de abril, do primeiro Fórum Internacional da Inovação Universitária, em São Paulo. O evento foi organizado pela Agência Universitária da Francofonia (AUF) na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp) e contou, em média, com a presença de 200 representantes de instituições vinculadas à Agência.

O professor Gonzalo Enríquez, diretor da Universitec, esteve no Fórum como representante da UFPA. Ele compôs a mesa de um dos painéis que trataram de temas ligados à governança no âmbito da Ciência e Tecnologia e das Ciências da Engenharia e abordou, em específico, a Plataforma de Governança da Agência de Inovação Tecnológica.

“É importante dizer que a Agência Universitária da Francofonia vai além daquelas instituições que se localizam na França, sendo formada também por universidades que falam a língua francesa em outras partes do mundo, mesmo em países que falam, por exemplo, português ou espanhol”, explica Enríquez. Ele cita a importância do evento para a Universitec que, a partir deste Fórum, passará a acompanhar a atuação da Universidade junto à AUF. “É a primeira vez que a Universitec estabelece um mecanismo de internacionalização. A partir de agora, estamos inseridos em um espaço oportuno que nos permitirá, de certo, atuar em parceria com universidades do mundo inteiro. Atuar, inclusive, de forma a contribuir para universidades que estão em processo de implantação de agências de inovação e de tecnologia, que a UFPA já tem há dez anos”, conta. “O Fórum foi uma oportunidade sem igual de mostrar a atuação da Universitec na Amazônia em termos de transferência de tecnologia, de incubação de empresas e de proteção do conhecimento”, afirma o diretor.

Após participar do Fórum, ele diz ter percebido que apenas realizar ações dentro da Universidade não é suficiente, mesmo que a comunidade acadêmica esteja amplamente envolvida no processo. É preciso que os muros sejam transpostos. “Se a demanda interna por inovação tecnológica não cresce, nós temos que procurá-la no exterior. Trabalhar com inovação requer fortalecer a capacidade de articulação de atores extremamente diversos e complexos, passo que a Universitec ainda não deu. O Fórum também servirá, justamente, para que seja dado o primeiro passo em direção a isso”, afirma. “A ação da Agência deve ser mais profunda, deve poder contar com o setor empresarial e com instituições técnico-científicas externas à academia”, conclui Enríquez.

O Fórum – O objetivo do Fórum Internacional da Inovação Universitária é que cada universidade apresente uma inovação aos membros da comunidade científica presentes no evento, propiciando a abertura de um espaço de debate sobre as possibilidades de valorização e de internacionalização dessas inovações.

Respondendo aos desafios de estruturar e de desenvolver a pesquisa em um contexto nacional e internacional, o Fórum Internacional da Inovação Universitária encoraja o estabelecimento de um sistema que promova a solidariedade ativa no domínio da investigação e da inovação. A AUF entende que as universidades devem ser capazes de criar valor e inovar em diferentes aspectos, a fim de figurarem como atores no desenvolvimento da sociedade, em nível local, regional e internacional. A pesquisa universitária e o compartilhamento de conhecimentos é um ponto de entrada fundamental para a inovação.

A fim de promover o diálogo intercontinental e transdisciplinar, as inovações selecionadas se enquadram em três áreas: governança, ensino e pesquisa. Esses setores se dividem em três categorias: Línguas, Letras, Ciências Sociais e Humanas; Ciência e Tecnologia; e, por fim, Ciências da Engenharia e Ciências da Saúde.

As apresentações dos pesquisadores são propostas em um painel temático de discussão. Três a quatro pesquisadores por mesa de discussão apresentam suas inovações, cada uma por um período de 10 a 15 minutos. Um período de 45 minutos aberto às perguntas da comunidade científica segue as apresentações dos pesquisadores.

Todas as apresentações são abertas ao público acadêmico e traduzidas simultaneamente em francês, português e espanhol. Cada apresentação é registrada e retransmitida, promovendo a ampla disseminação das inovações apresentadas. Espaços de networking com atores socioeconômicos e de pesquisa também são estabelecidos em paralelo às sessões de apresentação das inovações.

A AUF – A Agência Universitária da Francofonia reúne 909 universidades, faculdades, redes universitárias e centros de pesquisa científica que utilizam o francês em 113 países. Fundada há quase 60 anos, a AUF é uma das maiores associações de instituições de ensino superior e pesquisa do mundo. Ela também é a operadora de ensino superior e de pesquisa no Sommet de la Francophonie, reuniões dos chefes de Estado e de governo dos países membros da Organização Internacional da Francofonia, realizadas a cada dois anos desde 1986.

Respeitando a diversidade de culturas e idiomas, a AUF atua para uma universidade francófona envolvida no desenvolvimento econômico, social e cultural das sociedades. A Agência apoia instituições de ensino superior e pesquisa para atender, principalmente, a três grandes desafios: a qualidade da formação, pesquisa e governança universitária; a integração profissional e empregabilidade dos diplomados; e o envolvimento no desenvolvimento global das sociedades.


Texto: Divulgação com adaptações por Orlando Haber (ASCOM/Universitec).