Professores da UFPA recebem a medalha Paulo Frota de Direitos Humanos

Postado em 11 de abril de 2018

Em sessão solene realizada na Assembleia Legislativa do Estado do Pará (Alepa), 75 instituições e personalidades receberam a Medalha de Direitos Humanos Paulo Frota. Como destaque de atuação da Universidade Federal do Pará na defesa de Direitos Humanos, receberam a comenda o reitor Emmanuel Tourinho; a coordenadora da Assessoria de Diversidade e Inclusão Social, professora Zélia Amador de Deus; a Coordenadora do projeto “Roteiros Geo-turísticos”,  professora Maria Goretti Tavares; a coordenadora do Grupo de Pesquisa dos Direitos dos Povos Indígenas e Comunidades Tradicionais da UFPA, Eliane Pinto Moreira; e o professor Girolamo Treccani, do Programa de Pós-Graduação em Direito.

A cerimônia de entrega da medalha ocorreu na última quinta-feira, dia 5 de abril, no Plenário Newton Miranda, da Alepa. Também estiveram presentes os pró-reitores da UFPA, Raquel Trindade, de Planejamento (Proplan); Nelson de Souza Junior, de Extensão (Proex); e Rômulo Simões, de Pesquisa e Pós-Graduação (Propesp).

A Comenda representa o reconhecimento da importância do trabalho desenvolvido em prol dos diretos humanos no Pará e recebeu o nome do Juiz da Infância e da Juventude em Belém, Paulo Frota, que faleceu em 2001, aos 52 anos. O juiz teve forte atuação na luta pela implantação do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) no Estado.

Os homenageados com a outorga da medalha são indicados pelas bancadas dos partidos, com a participação da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor da Alepa na elaboração da lista dos contemplados.

Durante pronunciamento, o propositor da sessão solene e presidente da Comissão, deputado Carlos Bordalo, destacou alguns casos de violação dos diretos humanos no Pará que necessitam urgentemente de uma forte atuação das autoridades locais, como os casos de Barcarena e de outros municípios paraenses, onde populações foram atingidas pela contaminação de metais pesados, provocada por empresas de mineração; a chacina de jovens da periferia e a grilagem de terras. Ele falou da importante contribuição da Universidade na defesa dos direitos humanos, seja por meio da pesquisa ou por suas ações de promoção à inclusão social.

 A professora Zélia Amador de Deus, responsável pela Assessoria de Diversidade e Inclusão Social da UFPA, foi uma das pessoas homenageadas pela sua forte atuação em defesa dos direitos humanos da população negra no Pará. “Fico muito feliz por esse reconhecimento, pois são anos de luta e iniciativas como essa, são importantes no nosso Estado”, disse.

Outro trabalho reconhecido é o do projeto de extensão “Roteiros Geoturísticos” da UFPA, o qual desenvolve, desde 2011, ações de divulgação, valorização e promoção do patrimônio material e imaterial da cidade de Belém.

“É um trabalho que mostra à sociedade paraense a importância da preservação do patrimônio da cidade e está aberto à participação de todos, de forma gratuita. Nesses sete anos de atuação, já tivemos a participação de mais de 7 mil pessoas e ao receber essa comenda, ficamos bastante honrados, porque representa, em nível estadual, do trabalho que não é só de extensão, mas de ensino e pesquisa promovido pela Universidade”, declarou a coordenadora do projeto, professora Maria Goretti Tavares.

O reitor da UFPA, Emmanuel Tourinho agradeceu o reconhecimento do trabalho desenvolvido pela Instituição, a qual tem como objetivo fundamental “promover as condições para uma sociedade mais justa, fraterna, solidária, combatendo a exclusão e criando oportunidades para os jovens do nosso Estado. Suas atividades de ensino, pesquisa e extensão contribuem diretamente para o desenvolvimento econômico e social, formando profissionais e produzindo o conhecimento necessário sobre a nossa realidade, instrumentalizando a sociedade para enfrentar os seus grandes desafios”, disse.

Emmanuel Tourinho ressaltou, ainda, que apesar da luta em defesa da dignidade humana, continuamos com uma sociedade fundada na cultura da desigualdade. Ele manifestou o reconhecimento do trabalho daqueles que, no dia a dia, defendem os direitos à dignidade dos povos da Amazônia. “A Universidade Federal do Pará tem sido e continuará sendo parceira de todos os movimentos sociais e de todos aqueles que lutam por uma sociedade mais justa e solidária”, finalizou.

Texto: Ericka Pinto – Assessoria de Comunicação da UFPA
Fotos: Alexandre de Moraes